quinta-feira, 11 de abril de 2013

Tendinite pós parto

Olá meninas, tudo bem?!  Hoje vou falar um pouquinho sobre um “probleminha de saúde” que acomete 5% das mamães após o parto e que eu nunca havia ouvido falar a respeito.
Faz mais ou menos um mês que comecei a sentir uma dor absurda no meu punho esquerdo, uma dificuldade em segurar a Maria Clara no colo e em dar banho nela. É com o punho esquerdo que apoio a sua cabecinha e o seu corpinho (de mais de 6 kg) durante o banho.


Fui enrolando (tipo assim, deixa que vai sarar sozinho!), comprei uma pomadinha anti-inflamatória, daquela que sabia que poderia usar (já que estou amamentando), e mesmo usando a pomada nada dessa bendita dor passar.
Alguns dias a dor era mais amena, quase imperceptível ai eu pensava: YES sarou, e quando eu menos esperava - acordava com uma dor imensa e uma super dificuldade em fazer movimentos ou força com o braço esquerdo, a dor ia do punho até o cotovelo.
Não teve jeito, na segunda feira dessa semana resolvi procurar o ortopedista. Era feriado aqui na minha cidade e meus pais foram comigo ao hospital. Hospital lotado - será que todo mundo resolveu procurar o médico no feriado (igual a mim?!).
Eu detesto ir à hospitais, agora com a Maria Clara então, nem me fale! Fico imaginando uma porção de “virusinhos” voando nas gotículas salivares das pessoas, vindo imediatamente na direção da minha pequena... aquele monte de gente dodói (inclusive eu), sei lá,  não acho que hospitais sejam um ambiente legal para ir com bebês, é bom evitar, mas no meu caso, não teve jeito, borá toda a trupe.
Tempo de espera – aproximadamente 1 hora e 30 min. A Maria Clara dormia no meu colo e já estava dando a hora dela mamar e eu pensava assim: se esse médico não me chamar logo, e essa belezura acordar, vão ouvir o hino nacional no nível 5 e eu vou ter que sair para amamentá-la,
Eis que finalmente, o ortopedista me chamou. Demorei mais tempo para passar a Maria Clara para o colo da minha mãe, que para ser atendida pelo, tipo 3 minutos e foi muito.
Diagnóstico: desenvolvi uma tal chamada “TENDINITE DA MAMÃE”, vocês já tinham ouvido falar nisso?! Pois é, eu também não.
Agora eu entendo aquela famosa frase sobre maternidade “padecer no paraíso”. A verdade é que o trabalho diário de carregar bebês nos braços pode causar um tipo de lesão já batizado pelos médicos como “tendinite da mamãe”, cujo nome científico é Quervain. É tanto esforço que, de repente, punho, antebraço, cotovelo, mão e ombro começam a doer intensamente. E a lesão pode até levar à incapacidade de movimentos da paciente (#credo!!!).
Durante a gravidez a mulher produz o hormônio chamado relaxina, que ajuda no trabalho de parto. Esse hormônio tem a função de atuar todas as articulações, relaxando ligamentos e amolecendo a cartilagem, para favorecer o parto. Mas ele também favorece o aparecimento dessa tendinite. (ah tá – legal ...)
Este tipo de inflamação acomete 5% das mulheres após o parto (e eu faço parte desses 5% !!!).
Aos sinais de sintomas como dificuldade para realizar tarefas com a mão, falta de força e até dormência, a mamãe deve ir ao médico. Se possível fazer uma ultrassonografia do punho e se necessário tomar anti-inflamatórios, além de fisioterapia. No meu caso, o médico mal me examinou, pedir exame então ...
Como estou amamentando me indicou uma pomada fitoterápica chamada acheflane (não use medicações sem orientação médica!), disse que não devo fazer esforço (ah tá ...), além de fazer compressa quente. Estou fazendo, tem dias que está melhor, outros nem tanto, talvez eu procure um especialista.
A orientação é que a mãe deve alternar o braço que segura a criança e, se necessário, pedir ajuda de familiares para dividir o trabalho (Ok!).
Seguir uma rotina de exercícios físicos e evitar movimentos repetidos podem aliviar os sintomas e prevenir a tendinite de Quervain. O ortopedista compilou algumas dicas para evitar esse incômodo:

• Na hora de amamentar o bebê, escolha uma posição correta e confortável. O ideal é fazer isso sentada em uma cadeira, mantendo os pés apoiados no chão e apoiando os braços com uma almofada. Deixe os ombros relaxados para não sobrecarregar a cervical.
• Após a amamentação, relaxe! Aproveite para dormir e descansar. É importante que a mãe esteja descansada na hora da amamentação.
• Alguns exercícios podem ser feitos antes e após a amamentação. Relaxe os ombros e suba-os lentamente associando com a respiração. Depois solte junto com o ar ou tracione a cabeça para baixo mantendo por dez segundos. Este movimento pode ser repetido três vezes ao dia.
• Faça movimentos para ativar o sistema linfático e o próprio retorno venoso. Aposte nos movimentos circulares com os pés, cinco vezes para o lado direito e depois para o esquerdo, além de movimentar os pés para cima e para baixo o mesmo numero de repetições.
• Não deixe de fazer atividade física, desde que liberada pelo obstetra.
O ideal é que a prevenção começe antes da gravidez (por que ninguém me avisou?!) e continuar durante a gestação.
Bom, eu espero que vocês não passem por isso, pois ter um bebezinho e uma única mão descente, ah, não é muito fácil, e para que ainda vai engravidar ou ter o bebê, fica a dica da prevenção!!
De resto vou caminhando por aqui (um tanto quanto “maneta”), mas como uma boa brasileira, eu não desisto nunca !!
Aquele abraço !!!

4 comentários:

  1. Muito interessante Katia, eu estou com isso também e eu estava achando que era dos exercícios da yoga... mas não para de doer, já tem mais de 15 dias...você comprou a pomada? achou que melhorou? um beijo Carolina (mãe da Marina de quase 4 meses, completa dia 30)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carolina, então, estou passando a pomada 4 x por dia e fazendo compressa quente, ai sinto que melhora um pouco, mas só alivia, não sara de jeito nenhum. Quando fico sem usar a pomada a dor volta de novo. Me assustei pois o médico falou que se não melhorasse - só cirurgia!! Estou levando ... assim que parar de amamentar vou procurar um ortopedista especialista, ai poderei tomar medicação e tratar melhor. Comentaram que acupuntura ajuda, mas ainda não procurei. Um beijinho pra você e pra Marina.

      Excluir
  2. Aconteceu comigo tb, só que começou no final da minha gravidez. Lá pelo 8º mês acordava de madrugada com dor nos punhos e nas mãos, meu Obstetra disse que quando a Ana Clara nascesse ia parar, mas não parou, piorou. Fui no ortopedista e ele disse que é normal, como estou amamentando, não posso tomar medicação, então me passou apenas alongamentos e um spray para aliviar a dor. É terrível...mas, ossos do ofício rs.

    ResponderExcluir
  3. Meu filho hoje estah com 10 anos, mas qdo ele tinha uns 3 meses tive essa tendinite, sofri muito pq eu morava sozinha com ele, na epoca fiz mais de 20 sessoes de fisioterapia, mas nao melhorava em nada, a minha fisioterapeuta me aconselhou em passar por um medico na propria clinica pois ele era especialista em maos. logo de cara ele falou em cirurgia, mas passou mais uma sessoes de fisio, se nao resolvesse a gente iria p/a cirurgia. A fisioterapeuta achou muito radical, me aconselhou a procurar homeopatia ou acumputura. Resumindo a historia: fiz o tratamento com os dois ao mesmo tempo e em 2 meses fiquei curada. Mas na epoca ninguem falou desse tipo de tendinite. E hoje , depois de 10 anos comecei a sentir uma dor no mesmo local no punho direito(nao estou graviada).Se continuar essa dor vou procurar um medico.

    ResponderExcluir